Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


As novas viúvas do Banco Central do Japão
por Fernando Ulrich, sexta-feira, 29 de janeiro de 2016


Haruhiko Kuroda
Oito dias depois de afirmar diante do parlamento japonês que "juros negativos" não estavam sendo seriamente considerados pelo Banco do Japão, Haruhiko Kuroda surpreendeu os mercados financeiros ao anunciar justamente uma nova política de "juros negativos".

Kuroda agora se junta ao crescente grupo de banqueiros centrais que adotaram a inédita política de juros abaixo de zero -- um clube ainda restrito, mas que ganha novos adeptos a cada ano.

Primeiro foram os bancos centrais da Suécia e Dinamarca. Depois veio o Banco Nacional da Suíça e logo em seguida o Banco Central Europeu do audacioso Mario Draghi.

O Japão é, sem dúvida alguma, um dos grandes enigmas do mundo financeiro. Qualquer investidor sério que acompanhe a economia japonesa e as contas do governo chegará a uma conclusão óbvia: o governo nipônico está quebrado, e quando o restante do mercado se der conta, os juros dos bônus do governo irão para as alturas. Diante dessa constatação, nada mais natural que apostar contra os famosos JGBs (japanese government bonds).

Não há investidor no mercado financeiro que já não tenha feito esse trade ou ao menos pensado seriamente em fazê-lo. Ora, com um déficit orçamentário na ordem de 8% do PIB sem perspectivas de melhora e um endividamento de 230% do PIB, bastam os juros dos JGBs subirem um pouquinho para esse trem descarrilar.

O problema é que esse diagnóstico é válido há décadas e desde então os juros dos títulos de 10 anos do governo japonês vêm caindo sistematicamente. Quem tem apostado contra o governo do Japão está apanhando ano após ano.

embed.png

Juros dos títulos de 10 anos do governo do Japão

E é por esse motivo que apostar contra os JGBs é notoriamente conhecido como o "widowmaker trade", o "trade fazedor de viúvas".

Logo, não deve ter sido surpresa nenhuma constatar que, após o anúncio-surpresa dos juros negativos de Kuroda, houve mais viúvas.  Em questão de um mês, o JGB com vencimento de 10 anos caiu de 0,27% para 0,1%. Os títulos de 5 anos estão com rendimentos negativos. Toda a curva de juros dos bônus japoneses está menor do que um ano atrás. Kuroda está fazendo novas viúvas.

Isso significa que os traders estão errados em apostar contra o governo do Japão? Francamente, o diagnóstico não pode ser mais claro. O problema é que os JGBs teimam em desafiar as leis da economia. Em algum momento os traders vão acertar a mão. Mas como nos mercados financeiros não basta ter razão -- é preciso ter razão na hora certa, o velho timing --, é bem possível que haja uma nova leva de viúvas.

Até qual patamar conseguirá Kuroda manipular as taxas de juros?Até quando o Japão conseguirá evitar o dia do juízo final? Essa é pergunta que vale alguns de trilhões de ienes e algumas viúvas.